sábado, 14 de julho de 2018

Para agradar o eleitorado, parlamentares aprovam pautas-bomba

Neste ano, a preocupação dos parlamentares cujos mandatos acabam em dezembro é uma só: reeleição. Para conquistar o objetivo, eles estão dispostos a aprovar matérias que agradam parte do eleitorado, mas colocam as contas públicas ainda mais no vermelho. As chamadas “pautas-bomba”, que incluem isenções a diversos setores da economia e garantias de reajustes acima do que os cofres públicos conseguem suportar, custarão até R$ 100 bilhões nos próximos anos.  
O consultor político e professor da Universidade Católica de Brasília Creomar Souza afirma que os parlamentares não se importam com o aumento de gastos públicos por que não têm nada a perder. De acordo com Souza, eles não pensam duas vezes antes de firmar “relações de promiscuidade com setores de empresários e servidores, que resultarão em uma conta impagável”. Na terça-feira, por exemplo, para agradar as indústrias de refrigerante da Zona Franca de Manaus, o Senado revogou um decreto presidencial que aumentava a arrecadação do setor. A medida custará R$ 1,78 bilhão por ano, caso passe também pela Câmara dos Deputados.

A menos de três meses do primeiro turno das eleições, nem os aliados do presidente Michel Temer no Congresso demonstram constrangimento ao aprovar matérias que contrariam a orientação do Palácio do Planalto — e que, comprovadamente, terão altos impactos fiscais e orçamentários. “A lógica do parlamentar é que, aprovando mais gastos e isenções, ele ganha eleitor e não perde nada, porque não é ele que paga a conta. Se o governo não cumprir meta fiscal ou regra de ouro, o problema não é dele”, explicou o cientista político Sérgio Praça, da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Bancadas infiéis


Outro sinal claro de pouca preocupação com o gasto público foi dado durante a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2019, na última quarta-feira, em sessão do Congresso.

Em alguns casos, 15 minutos de pressão no plenário foram suficientes para que bancadas aliadas do governo desistissem de apoiar a proibição de reajustes salariais aos servidores públicos no ano que vem, que constava da proposta do Executivo.

Esse foi o tempo que o DEM, por exemplo, levou para mudar a orientação aos deputados. O PR liberou a bancada para votar como quisesse 20 minutos após ter orientado contra o destaque que liberaria o aumento de gastos. O PP e o MDB, do presidente Michel Temer, sugeriram inicialmente o voto a favor da proibição do aumento dos salários, mas voltaram atrás. “Os deputados estão pedindo. E a liderança refaz o que a bancada quer: muda a orientação”, justificou o deputado Arthur Lira (PP-AL), líder da bancada. Segundo ele, foi uma forma de “ajudar no quórum” para “se livrar logo dessa votação”. Até o PSDB, que sempre defendeu o ajuste fiscal, liberou os parlamentares da legenda.

Outras pautas-bomba foram aprovadas facilmente nas últimas semanas, inclusive, pelas duas Casas, como o perdão de dívidas tributárias de produtores rurais, que custará R$ 13 bilhões ainda em 2018. A situação pode piorar caso outros benefícios fiscais sejam levados adiante em agosto, após o recesso, como a proposta de compensar os estados pela desoneração das exportações do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), medida que tem o potencial de retirar R$ 39 bilhões por ano dos cofres públicos.

Por não ter efeitos positivos comprovados, esse tipo de política é considerada eleitoreira por especialistas, além de desrespeitar recomendações do Tribunal de Contas da União (TCU), que têm constantemente alertado para o prejuízo da renúncia de receitas. Isenções e desonerações impediram o governo de arrecadar R$ 354,7 bilhões em 2017, segundo a Corte. Os pré-candidatos à Presidência da República, que deveriam se preocupar com os próximos orçamentos, não se manifestam, mesmo sabendo que, com a faixa presidencial, um deles assumirá a responsabilidade de colocar a casa em ordem. Para os presidenciáveis, a lógica é diferente da dos parlamentares: opor-se às pautas é uma atitude impopular, mas apoiá-las significaria colocar a corda no próprio pescoço. “Na dúvida, se mantêm em silêncio”, explicou Praça.
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

Rádio Patativa FM 105,9

Curta Nossa Página no Facebook

VMC CAR

Max Gel

Afagu

Ópcas Afagu

Burger KING

Samuel Rulin

Metal Serra Construtora

Odonto Clinica

Karirí da Sorte Cap

Casa dos Aposentados

Madral Madeira e Material de Construções

Laboratório Oswaldo Cruz

Dr. Wagner Maia Crm-Ce

Loja Barateira

Rejuntamix 100% de Qualidade

Seguro Previdência Créditos

Caixa Aqui Data Contábel

LPC NET

Total de visualizações do Site

Arquivos do Site