domingo, 7 de outubro de 2018

'Sistema político brasileiro está em fim de linha', diz Tasso Jereissati

Ao avaliar os rumos da disputa presidencial deste ano, o senador tucano Tasso Jereissati, liderança nacional do PSDB, afirmou, em entrevista, que o "sistema político-partidário está em fim de linha"e a polarização entre PSDB e PT "acabou". As declarações foram dadas no Centro Universitário Farias Brito, em Fortaleza, onde o senador votou no início da tarde deste domingo (7).
Questionado sobre o futuro do PSDB, a partir das perspectivas de não ter êxito nas urnas em âmbito estadual e também nacional, Tasso disse que "o futuro do PSDB é igual ao de todos os partidos políticos"

"Acho que o sistema político que está aí, o sistema partidário, está falido. Tem que haver uma renovação", defendeu.
á ao comentar a possibilidade de o candidato à Presidência da República pelo partido, Geraldo Alckmin, não chegar ao segundo turno, o senador tucano ressaltou que vai apostar no ex-governador paulista "até o último voto apurado". Segundo Tasso Jereissati, "ainda tem o PT aí porque existe o Lula. Não existe o PT da maneira como ele foi criado, como foi idealizado, é um partido em fim de linha também, como todo um sistema político brasileiro que tem que ter mais coerência e mais transparência".
No cenário nacional, para o senador cearense, o partido pode conquistar estados-chave para a manutenção do poder nacional. "Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul são estados importantíssimos. Estados que sempre tiveram influência-guia na política brasileira e são os estados mais fundamentais do Brasil", pontuou. 
Com relação ao possível segundo turno à Presidência da República que está sendo desenhado pelas pesquisas eleitorais entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), Tasso disse estar torcendo para que isso não aconteça. "Eu encaro o segunto turno com muita preocupação porque a gente vê os dois pontos mais extremos da população brasileira (a extrema direita e a extrema esquerda) com muito intolerância em relação à visão dos outros. Espero que isso não se confirme nas urnas", disse.
Ceará
O senador cearense questionou ainda a aliança em torno da candidatura do governador Camilo Santana (PT) e a aliança feita pelo grupo político para garantir a reeleição. "Aqui foi a campanha mais desigual de toda a história do Ceará e talvez do Brasil. Se juntaram 181 prefeitos, todos os partidos políticos, Governo do Estado e sua máquina, Governo Federal e sua máquina para manter quem está nos seus lugares", criticou. 
Além disso, Tasso considerou que novas lideranças surgiram no partido, como o candidato ao Governo General Theophilo (PSDB) e a candidata ao senado Dra. Mayra (PSDB).  "Nós conseguimos fazer uma campanha bonita. Praticamente, sem nenhuma condição, mas levando ao povo renovação, visão nova de política, e com certeza vão nascer daí novas lideranças", completou Tasso Jereissati, ao exemplificá-las na figura do candidato ao Governo General Theophilo (PSDB) e a candidata ao Senado Dra. Mayra (PSDB).
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

Rádio Patativa FM 105,9

Curta Nossa Página no Facebook

VMC CAR

Max Gel

Afagu

Ópcas Afagu

Burger KING

Samuel Rulin

Metal Serra Construtora

Odonto Clinica

Karirí da Sorte Cap

Casa dos Aposentados

Madral Madeira e Material de Construções

Laboratório Oswaldo Cruz

Dr. Wagner Maia Crm-Ce

Loja Barateira

Rejuntamix 100% de Qualidade

Seguro Previdência Créditos

Caixa Aqui Data Contábel

LPC NET

Total de visualizações do Site

Arquivos do Site