quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Reajuste salarial do STF deve ter impacto de R$ 4 bi em contas públicas

Aprovação do reajuste (16,38%) de salário de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), realizada ontem em votação no Senado, vai provocar um impacto anual nas contas públicas de R$ 4 bilhões, segundo cálculo feito pelas consultorias de Orçamento da Câmara e do Senado.
Motivo: o aumento gera uma efeito cascata, uma vez que o valor da remuneração dessas autoridades é o limite máximo estipulado para os ganhos do funcionalismo. Além disso, algumas categorias têm suas remunerações atreladas às dos ministros.
Só no Poder Judiciário, o impacto projetado chega a R$ 717 milhões. Para o Ministério Público da União, o incremento é de R$ 258 milhões. No caso do Poder Executivo, o efeito pode ser de outros R$ 400 milhões. Além disso, o impacto pode ser de R$ 2,6 bilhões nos entes da Federação, como os estados.
O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), havia incluído na pauta o projeto que aumenta o salário dos ministros. Parlamentares foram pegos de surpresa. Eunício, logo após a votação, defendeu a medida e minimizou seu impacto no Orçamento. "Não haverá aumento do teto do gasto dos órgãos", afirmou, após a votação.
A regra de teto de gastos limita o aumento das despesas dos órgãos da União à inflação do ano anterior.
Com o reajuste de 16,38%, o salário de um ministro do STF passa de R$ 33,7 mil para R$ 39,3 mil. Na votação de ontem, foram 41 votos a favor, 16 contra e uma abstenção. O texto depende de sanção do presidente Michel Temer para entrar em vigor. Em seguida, também foi aprovado o aumento no mesmo valor do salário do procurador-geral da República, em votação simbólica, o mesmo de um ministro do STF.
Próximo governo
O senador Fernando Bezerra (MDB-PE) disse, durante leitura de parecer no plenário, que o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, se comprometeu a acabar com o auxílio-moradia. O fim do penduricalho dos juízes de todo o Brasil, hoje em R$ 4.377, diz o senador, diminuiria o impacto nas contas públicas. Uma ação contra o benefício aguarda por julgamento no STF e está sob relatoria do ministro Luiz Fux.
Toffoli, após a aprovação, disse que agora enfrentará o problema do auxílio-moradia pago aos magistrados e membros do Ministério Público. "Com a aprovação do novo subsídio, nós poderemos então resolver então essa questão do auxílio".
O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) disse, antes da votação, que "não é o momento de reajustar o salário do Poder Judiciário".
"Nós estamos terminando um ano com déficit, vamos começar o outro ano com déficit", afirmou.
Opositores de Bolsonaro também se colocaram contra o projeto criticado pelo presidente eleito.
"É de uma irresponsabilidade enorme fazermos isso não com o presidente eleito, mas com o País", afirmou o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). "Nós estamos trabalhando no escuro", afirmou o senador Roberto Requião (MDB-PR), durante a sessão de votação.
Já Romero Jucá (MDB-RR) negou que se aumentarão as despesas do Judiciário para o novo governo .
"O teto será cumprido. Não estamos aqui discutindo aumento de gasto do Poder Judiciário", disse.
Ele afirmou que, por causa da aprovação do teto de gastos, o valor de aumento de salário seria compensado em outros gastos do Poder.
Gastos
Segundo dados do Tesouro Nacional, o Judiciário já havia ampliado seus desembolsos em 8,8% no primeiro semestre deste ano. A variação é mais alta que os 7,2% permitidos pelo teto de gastos para este ano. O Judiciário de todo o País, segundo o Anuário Justiça em Números 2018, bateu o recorde em gastos com despesas com pessoal. Em 2017, a remuneração custou R$ 82,2 bilhões ao país-90,5% do Orçamento do Judiciário.
O projeto para reajuste dos ministros do Supremo estava parado no Senado desde 2016, após aprovação na Câmara. Em agosto deste ano, o Supremo aprovou uma proposta orçamentária para 2019 que prevê o mesmo reajuste salarial de 16,38%.
Após a aprovação pelos ministros, o presidente Michel Temer recebeu Toffoli para discutir a questão do aumento salarial. Toffoli, e a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, mantiveram contato com o presidente do Senado para articular apoio à votação dos reajustes. Houve mobilização nos bastidores e a votação, na véspera, de um requerimento para que fossem incluídos em pauta, mesmo sem consulta de praxe aos líderes de bancada.
A votação do reajuste surpreendeu associações de classe de magistrados e procuradores.
Fonte O Povo
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram RSS Feed Email

Rádio Patativa FM 105,9

Curta Nossa Página no Facebook

Encontro como Reitor

Odonto Clinica

Karirí da Sorte Cap

Casa dos Aposentados

Madral Madeira e Material de Construções

Laboratório Oswaldo Cruz

Dr. Wagner Maia Crm-Ce

Iohara Ótica, Jóias e Relógios

Loja Barateira

Rejuntamix 100% de Qualidade

Seguro Previdência Créditos

Caixa Aqui Data Contábel

LPC NET

As Mais Lidas

Total de visualizações do Site

Arquivos do Site