Clique na Imagem e Ouça a Patativa FM 105,9 Ao Vivo

Pages

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Gestão Bolsonaro começa a sair do papel com definição de ministros

O futuro governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) começa hoje a sair do papel. Às 16h, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), futuro ministro da Casa Civil, se reunirá com o atual ministro da Pasta, Eliseu Padilha, em Brasília. Ele também deve visitar a sede da equipe de transição, no Centro Cultural Banco do Brasil.
Bolsonaro só deve viajar para a Capital Federal na próxima terça-feira, quando deverá se encontrar com o presidente Michel Temer (MDB) para tratar da travessia para 2019.
Já foram escolhidos 80% dos nomes que vão ocupar a Esplanada dos Ministérios, a partir de 1º de janeiro de 2019, data da posse. Na próxima segunda-feira, deverá ocorrer o anúncio oficial dos futuros ministros (fala-em em 15 ou 16). Ontem, foi confirmada a promessa de campanha de reduzir o número de ministérios (hoje são 29 - eram 39 na gestão de Dilma Rousseff), com base em seu plano de redução da máquina pública.
O economista Paulo Guedes será o superministro da Economia, que unirá as pastas da Fazenda, do Planejamento e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).
Haverá ainda a fusão das pastas da Agricultura e do Meio Ambiente. O Ministério das Cidades, alvo de diversas denúncias nas gestões do PT, também será extinto.
A justificativa é que o novo governo vai mudar a forma de interlocução com os prefeitos e governadores e, por isso, a Pasta não terá mais serventia.
O objetivo do encontro entre Lorenzoni e Padilha é já levar os nomes da equipe indicada por Bolsonaro para o governo de transição.
A lista será entregue a Padilha para publicação no Diário Oficial da União (DOU), o que permite que os indicados por Bolsonaro comecem a trabalhar com dados do governo.
Já circulam críticas sobre as decisões de Bolsonaro. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) criticou, ontem, o fim do Ministério da Indústria e Comércio. "Tendo em vista a importância do setor industrial para o Brasil, que é responsável por 21% do PIB nacional e pelo recolhimento de 32% dos impostos federais, precisamos de um Ministério com um papel específico, que não seja atrelado à Fazenda, mais preocupada em arrecadar impostos e administrar as contas públicas", afirmou o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, em nota.
A CNI não foi a única a tecer críticas. O presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e Confecção (Abit), Fernando Pimentel, afirmou que é "equivocada" a decisão da equipe de Bolsonaro de acabar com o MDIC. "Não vejo o Brasil dando certo sem uma indústria relevante. Colocar a indústria como Secretaria ou algo assim é diminuir sua importância", acrescentou.
Já o astronauta Marcos Pontes confirmou que aceitou o convite para ser o ministro da Ciência e Tecnologia. "Assumo o ministério, fico os quatro anos e depois, eventualmente, posso entrar no Senado para continuar o trabalho dentro do Congresso", disse.
O juiz Sérgio Moro, da Lava-Jato, sinalizou, ontem, sobre o convite para o Ministério da Justiça ou vaga no Supremo Tribunal Federal (STF). Em nota, ele declarou que o convite "será objeto de ponderada discussão e reflexão".
Fonte Diário do Nordeste
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

Gonverno do Estado

Clique acima e confira ou se preferir clique AQUI

Tv Patativa do Assaré

Mob Telecom

Mob Telecom O dom de conectar: 0800-020-9000

Curta Nossa Página no Facebook

Distribuidora Roque

Nova Assaré Loteamento

Farmácia Menor Preço

Ledi Festas

Vivo em qualquer lugar use vivo

Inove Eventos

Produtos Nativus

Afagu

Ópcas Afagu

Burger KING

Samuel Rulin

Odonto Clinica

Karirí da Sorte Cap

Loja Barateira

Rejuntamix 100% de Qualidade

Seguro Previdência Créditos

Caixa Aqui Data Contábel

LPC NET

Total de visualizações do Site