Clique na Imagem e Ouça a Patativa FM 105,9 Ao Vivo

Pages

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

Advogados forjavam documentos e conseguiam testemunhas falsas para beneficiar facções, diz MP


Alvos da Operação Rábula, deflagrada nesta sexta-feira (2), advogados forjavam documentos e conseguiam testemunhas falsas em um esquema criminoso para beneficiar membros de facções criminosas no Ceará, com a ajuda de três servidores do Tribunal de Justiça do Estado. As informações foram divulgadas no final desta manhã, pelo Ministério Público do Ceará. O órgão e a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS) estão cumprindo 25 mandados, sendo 10 de busca e apreensão, oito mandados de prisão preventiva e sete de prisão temporária.
De acordo com o promotor Rinaldo Janja, coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), o esquema criminoso incluía a confecção de documentos públicos falsos, como certidões de antecedentes criminais, e de cartas de empregos para serem usadas principalmente na Vara de Execução Criminal na tentativa de conseguir a progressão de regime dos presos. 
A Operação Rábula teve início em novembro de 2017. Os investgiadores não detectaram uma facção especifica se beneficiando com o esquema. "São vários bandidos, vários clientes, várias organizações", afirmou o promotor. Segundo o Ministério Público, não há participação de juízes ou promotores, nem foi comprovado o envolvimento de policiais civis nos crimes. Um mandado de prisão tem como alvo um policial militar.
Além das fraudes nas documentações, os advogados também atuavam tentando escolher e antecipar as datas das audiências de custódia. 
Impunidade e furtos a caixas eletrônicos
O Procurador-geral de Justiça, Plácido Rios, explicou que essa organização criminosa foi construída para garantir a impunidade dos criminosos. E em uma segunda etapa foi descoberto outro grupo criminoso que realizava furtos mediante arrombamentos de caixas eletrônicos. A quadrilha contava com a participação de advogados, particulares e criminosos vindos de Santa Catarina para atuarem no Ceará. O policial militar com mandado de prisão em aberto faz parte deste grupo.
"Esses criminosos estavam sendo monitorados pela Polícia e o Ministério Públicodesde 2017. Tinham ramificações envolvidas em outras organizações do Peru e da Bolívia", disse o procurador.
O material apreendido durante a operação vai ser analisado e os investigadores vão tentar identificar a participação de outros suspeitos, os valores das proprinas pagas, bem como detalhes de como funcionava todo o esquema.
Os mandados judiciais foram deferidos pela Vara de Delitos de Organizações Criminosas da Comarca de Fortaleza e estão sendo cumpridos com o apoio do Núcleo de Investigação Criminal do MPCE (NUINC), do Departamento Técnico Operacional da Polícia Civil do Estado do Ceará (DTO), da Polícia Militar do Estado do Ceará e da Coordenadoria de Inteligência da Secretaria de Administração Penitenciária (COINT).

Fonte: DN
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

Gonverno do Estado

Clique acima e confira ou se preferir clique AQUI

Tv Patativa do Assaré

Mob Telecom

Mob Telecom O dom de conectar: 0800-020-9000

Curta Nossa Página no Facebook

O Barateiro da Cidade

Distribuidora Roque

Nova Assaré Loteamento

Farmácia Menor Preço

Vivo em qualquer lugar use vivo

Inove Eventos

Produtos Nativus

Afagu

Ópcas Afagu

Burger KING

Samuel Rulin

Odonto Clinica

Karirí da Sorte Cap

Loja Barateira

Rejuntamix 100% de Qualidade

Seguro Previdência Créditos

Caixa Aqui Data Contábel

LPC NET

Total de visualizações do Site