Clique na Imagem e Ouça a Patativa FM 105,9 Ao Vivo

Pages

quarta-feira, 11 de novembro de 2020

ASSARÉ CE. Justiça proíbe empresa investigada pela Policia Federal de realizar pesquisa eleitoral.


A Justiça Eleitoral barrou na tarde de hoje Quarta Feira dia  (11) a divulgação de uma pesquisa de intenção de votos no município de Assaré, que seria realizada por um Instituto de Pesquisas representado por Adhemar Barros Fernandes/Alternativa Dados, a qual está sendo investigada pela Policia F ederalA pesquisa tinha sido encomendada pela empresa Francisco Aleff  Elias da Silva WMO Empreendimentos com o CNPJ de numero 47039650001/109.

VEJA O DESPACHO .

JUSTIÇA ELEITORAL 018ª ZONA ELEITORAL DE ASSARÉ CE REPRESENTAÇÃO (11541) Nº 0600481-82.2020.6.06.0018 / 018ª ZONA ELEITORAL DE ASSARÉ CE REPRESENTANTE: FRANCISCO GONCALVES DIAS Advogados do(a) REPRESENTANTE: FRANCISCO GONCALVES DIAS - CE10416, FELIPE CARTAXO ESMERALDO - CE23813 REPRESENTADO: ADHEMAR BARROS FERNANDES, FRANCISCO ALEFF ELIAS DA SILVA Vistos, etc... Trata-se de IMPUGNAÇÃO AO REGISTRO E DIVULGAÇÃO DE PESQUISA ELEITORAL COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA INIBITÓRIA manejada pela COLIGAÇÃO “PRA CUIDAR DA NOSSA GENTE”, integrada pelos Partidos PC do B, PSB, PDT, PT e PL em desfavor de ADHEMAR BARROS FERNANDES – ALTERNATIVA DADOS ESTATÍSTICOS - e de FRANCISCO ALEFF ALIAS DA SILVA – W M OEMPREDIMENTOS, onde sustenta, em síntese: I - A pesquisa foi registrada pelo primeiro Representado no sistema de pesquisas eleitorais do TSE sob o nº CE06666/2020, tendo sido contratada pelo segundo Representado; II - A pesquisa foi realizada em um único dia (08/11/2020); III - No pedido de registro não consta a assinatura com certificação digital do estatístico responsável pela pesquisa; IV - Não consta no questionário apresentado autorização a ser firmada pelo entrevistado para realização e divulgação da pesquisa; V - Existência de desproporção entre o número de entrevistados em relação ao número de eleitores por região e localidade, não refletindo a realidade; VI - Empresa contratada investigada pela Polícia Federal e sem endereço conhecido; VII - Insuficiência de empregados na empresa para realização da pesquisa; VIII - Vícios no plano amostral, pois utilizou dados do IBGE de 2010 e não do TSE de 2020; IX - Erro na proporção de eleitores por sexo; Juntou à inicial procuração, documentos pessoais do representante da Coligação, cópias de decisões proferidas por outros juízes eleitorais sobre o assunto e outros documentos que entende comprovar os fatos alegados. Antes da apreciação da liminar e sem citação, os promovidos protocolaram contestação. A Secretaria, atendendo determinação judicial, anexou certidão aos autos. Mediante despacho de ID. 38701002 este magistrado deixou para apreciar a contestação em momento oportuno e determinou que os autos seguissem com vistas ao Ministério Público. O Ministério Púbico oferto parecer pelo deferimento da LIMINAR, onde afirma que "a Representada figura como investigada pelo Ministério público, por fraude em pesquisas eleitorais, de forma que ensejam riscos a transparência e lisura da referida pesquisa (...) a quantidade de funcionários da Representada são incompatíveis com o tamanho da demanda a serem realizadas, visto que figuram como contratada para realização de pesquisas eleitorais também nas cidades de Crato, Granjeiro e Caririaçu, além da cidade de Assaré, todos em um curto período de tempo, e ambos municípios com raio de extensão que impossibilita a realização simultânea das pesquisas eleitorais contratadas" É o breve relato. Passo a apreciação da liminar: Como bem afirmou o Ministério Público, a empresa contratada figura como investigada pela Polícia Federal por fraude DECISÃO Num. 38920610 - Pág. 1 Assinado eletronicamente por: DJALMA SOBREIRA DANTAS JUNIOR - 11/11/2020 14:34:32 https://pje1g.tse.jus.br:443/pje/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?x=20111114394513500000036834483 Número do documento: 20111114394513500000036834483 em pesquisa eleitoral. A falta de assinatura com certificação digital do estatístico responsável pela pesquisa já é matéria superada, pois o programa fornecido pelo TSE não permite tal expediente, assim como a resolução que regulamenta a realização de pesquisas não determina que conste no questionário autorização do entrevistado para divulgação. No entanto, a pesquisa trouxe vários vícios que a tornam ilegal, como passaremos a analisar. a) O eleitorado de Assaré é de 19.222 (dezenove mil, seiscentos e vinte e dois) eleitores, onde, segundo dados contidos no site do TSE e Cartório Eleitoral desta Zona, 11.395 (58,07%) votam na zona urbana e 8.227 na zona rural (41,927%), porém, no ID de n. 38540067, consta que foram realizadas 300 (trezentas entrevistas), sendo 159 (53%) na zona urbana e 141 (47%) na zona rural, o que certamente impactará no resultado (vide certidão anexada) Esta simples análise já é suficiente para concluir que a amostra não reproduziu o universo pretendido. Como nos ensina o Diretor do Datafolha, Mauro Paulino "a amostra deve ser uma reprodução do universo a ser representado, com as mesmas proporções de segmentos sócio-econômicos". Vejamos o que estabelece a RESOLUÇÃO Nº 23.600, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2019. Art. 2º A partir de 1º de janeiro do ano da eleição, as entidades e as empresas que realizarem pesquisas de opinião pública relativas às eleições ou aos candidatos, para conhecimento público, são obrigadas, para cada pesquisa, a registrar, no Sistema de Registro de Pesquisas Eleitorais (PesqEle), até 5 (cinco) dias antes da divulgação, as seguintes informações (Lei n° 9.504/1997, art. 33, caput, I a VII e § 1º): I - contratante da pesquisa e seu número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) ou no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ); II - valor e origem dos recursos despendidos na pesquisa, ainda que realizada com recursos próprios; III - metodologia e período de realização da pesquisa; IV - plano amostral e ponderação quanto a gênero, idade, grau de instrução, nível econômico do entrevistado e área física de realização do trabalho a ser executado, bem como nível de confiança e margem de erro, com a indicação da fonte pública dos dados utilizados; (grifo nosso) V - sistema interno de controle e verificação, conferência e fiscalização da coleta de dados e do trabalho de campo; VI - questionário completo aplicado ou a ser aplicado; VII - quem pagou pela realização do trabalho com o respectivo número de inscrição no CPF ou no CNPJ; VIII - cópia da respectiva nota fiscal; IX - nome do estatístico responsável pela pesquisa, acompanhado de sua assinatura com certificação digital e o número de seu registro no Conselho Regional de Estatística competente; X - indicação do estado ou Unidade da Federação, bem como dos cargos aos quais se refere a pesquisa. § 1º Na hipótese de a pesquisa se referir aos cargos de prefeito, vice-prefeito ou vereador e envolver mais de um município, a entidade ou a empresa deverá realizar um registro para cada município abrangido. § 2º Na contagem do prazo de que cuida o caput, não devem ser consideradas as datas do registro e a da divulgação, de modo que entre estas transcorram integralmente 5 (cinco) dias. § 3º O PesqEle deve informar ao usuário o dia a partir do qual a pesquisa registrada poderá ser divulgada. § 4º O acesso ao PesqEle, para o registro das informações de que trata este artigo, é realizado exclusivamente via internet, devendo os arquivos estar no formato PDF (Portable Document Format). § 5º A integridade e o conteúdo dos arquivos e das informações inseridos no PesqEle são de inteira responsabilidade da entidade ou empresa realizadora do registro da pesquisa eleitoral. § 6º O registro de pesquisa poderá ser realizado a qualquer tempo, independentemente do horário de funcionamento da Justiça Eleitoral. § 7º A partir do dia em que a pesquisa puder ser divulgada e até o dia seguinte, o registro deverá ser complementado, sob pena de ser a pesquisa considerada não registrada, com os dados relativos: I - nas eleições municipais, aos bairros abrangidos ou, na ausência de delimitação do bairro, à área em que foi realizada; II - no Distrito Federal, às regiões administrativas abrangidas ou, na ausência de delimitação da região, à área em que foi realizada; III - nas demais, aos municípios e bairros abrangidos, observando-se que, na ausência de delimitação do bairro, será identificada a área em que foi realizada; IV - em quaisquer das hipóteses dos incisos I, II e III deste parágrafo, ao número de eleitores pesquisados em cada setor censitário e a composição quanto a gênero, idade, grau de instrução e nível econômico dos entrevistados na amostra final da área de abrangência da pesquisa eleitoral. Num. 38920610 - Pág. 2 Assinado eletronicamente por: DJALMA SOBREIRA DANTAS JUNIOR - 11/11/2020 14:34:32 https://pje1g.tse.jus.br:443/pje/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?x=20111114394513500000036834483 Número do documento: 20111114394513500000036834483 O plano amostral da pesquisa não coincide com a realidade desta zona, pois além de conter erro quanto ao percentual de homens e mulheres, ainda erra quanto à quantidade de eleitores residentes na zona urbana e na zona rural, o que poderá trazer um resultado não condizente com a realidade e induzir o eleitor a erro. Referido plano também não segue a estatística do eleitorado do TSE, pois ali divide-se entre as seguintes faixas etárias: 16 a 32; 17 anos; 18 a 20; 21 a 24; 25 a 34; 35 a 44; 45 a 49; 60 a 69; 70 a 79 e superior a 79 anos. O PLANO, NO ENTANTO, ASSIM DIVIDIU: sendo 11365 pessoas ( 51 % ) do sexo feminino e 11080 pessoas ( 49 % ) do sexo masculino, sobre as estimativas das faixas etárias, sendo 5721 pessoas ( 35 %) de 16 a 29 anos, 5334 pessoas ( 33% ) de 30 a 49 anos e 5101 pessoas ( 32 % ) de 50 anos a mais anos (FLS. 05) Desta forma, além de não ter utilizado o quantitativo do eleitorado da Zona, ainda não seguiu os percentuais entre sexos, locais de votação e faixas etárias, impedindo uma análise por parte do Judiciário. A legislação eleitoral, buscando proteger o eleitorado, requereu o devido registro perante a Justiça Eleitoral da pesquisa a ser realizada, bem como a apresentação de informações específicas para fins de sua divulgação. Tais exigências buscam empregar o maior grau de transparência possível aos eleitores acerca das pesquisas desenvolvidas, objetivando evitar eventual manipulação de dados que possam influenciar e confundir o eleitorado. Nesse sentido, cito precedente do E. TRE da Paraíba: "ELEIÇÕES 2014. IMPUGNAÇÃO A PESQUISA ELEITORAL. REGISTRO REALIZADO. LEGITIMIDADE ATIVA DE QUALQUER CANDIDATO. INFORMAÇÕES QUANTO À AMOSTRA. PERCENTUAL DE GRAU DE INSTRUÇÃO E DE NÍVEL ECONÔMICO. AUSÊNCIA. CANCELAMENTO DEFINITIVO DO REGISTRO PB018/2014. MULTA AFASTADA ANTE À NÃO DIVULGAÇÃO DA PESQUISA. RECURSO DESPROVIDO. 1. Qualquer candidato tem legitimidade e interesse para propor representação por irregularidade em pesquisa, ainda que concorra a cargo diverso, nos termos do art. 96 da Lei 9.506/97 e art. 16 da RTSE 23.400. 2. A teor do inciso IV, do artigo 2º da Resolução TSE 23.400/2013, o registro da pesquisa deve ser preenchido com o Plano Amostral e com a ponderação dos parâmetros Sexo, Idade, Nível Econômico e Grau de instrução. Tem-se por irregular qualquer pesquisa que desrespeite tal texto legal. 3. A divulgação de pesquisas é um direito à informação, porém as formas de realizar tais pesquisas bem como de sua divulgação têm o dever de possibilitar a aferição mínima dos resultados, tendo em vista a sua importância na formação de opinião do eleitorado. 4. Recurso a que se nega provimento. (TRE/PB, REPRESENTAÇÃO n 144979, ACÓRDÃO n 1170 de 22/09/2014, Relator(a) ANTONIETA LÚCIA MAROJA ARCOVERDE NÓBREGA, Publicação: PSESS - Publicado em Sessão, Volume 20:01, Data 22/09/2014)" (destacou-se) Também não podemos deixar de estranhar que a empresa responsável pela pesquisa tenha em seus quadros um reduzidíssimo número de empregados fixos, tenha realizado o trabalho em apenas um dia e atuado simultaneamente em diversos municípios, o que coloca em dúvida a qualidade do serviço. A publicação da pesquisa, feita a partir de dados que não coincidem com os constantes no TSE, serviria para abalar a tranquilidade do pleito, que vem se desenvolvendo dentro da normalidade. Ante o exposto e em harmonia com o parecer ministerial, partindo de análise superficial dos fatos e fundamentos alegados na inicial, DEFIRO O PEDIDO LIMINAR para determinar a imediata suspensão da pesquisa eleitoral registrada sob o nº 6666/2020, até o julgamento definitivo da presente ação, sob pena de multa de R$ 100.000,00 (cem mil reais) pelo descumprimento, nos termos do art. 17 da Resolução n. 23.600/2019 – TSE. Intimar e citar. Exp. Nec. Assaré – CE, 11 de novembro de 2020 DJALMA SOBREIRA DANTAS JÚNIOR JUIZ ELEITORAL



Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

Notícias em Aúdio

Linck 2 para a Sua Emissora

Gonverno do Estado

Clique acima e confira ou se preferir clique AQUI

Posto Pague Menos

Dra Jennifer Cabral

Cartório Belisário Melo

Curta Nossa Página no Facebook

As Mais lidas do site

Total de visualizações do Site

Arquivos do Site