Clique na Imagem e Ouça a Patativa FM 105,9 Ao Vivo

Pages

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Gado sofre com a escassez de água e alimento no sertão do Ceará

Nesta época do ano, com o tempo cada vez mais quente e seco, o rebanho bovino sofre com a falta de pastagem nativa e de água no sertão. Os criadores enfrentam desde 2012 dificuldades para manter os animais. O gado está magro. Quem buscou alternativas como formação de silos para segurança alimentar e reduziu o número de animais ainda se mantém na atividade, mas o quadro é de dificuldades. A partir de junho, no sertão do Ceará, as chuvas ficam escassas até a chegada da pré-estação (dezembro e janeiro) que pode favorecer a formação da pastagem nativa (capim) para alimentar o rebanho. Até lá, é preciso, entretanto, fazer a travessia. Quem percorre rodovias no sertão cearense observa os animais nas roças secas, quase sem mato, lambendo terra e pedras à procura de gramíneas. Nos Inhamuns, em Tauá e Arneiroz, por exemplo, o rebanho sofre com a falta de alimentação. "A situação da pecuária é grave aqui na região", disse o criador Francisco Lima, que mantém uma criação de 20 bichos nas proximidades de Cachoeira de Fora. "Na roça, o gado tenta comer o resto de pasto, mas a terra está seca, sem nada". Os criadores alegam falta de condições financeiras para comprar ração e capim para alimentar o rebanho. "O gado é criado solto e sofre nesta época do ano", observa o técnico agrícola Marcos Pereira. "Entre Inhamuns e Catarina, as chuvas foram poucas neste ano, e as dificuldades já vêm desde 2012". Alguns produtores levam os animais para pastar nas margens da rodovia. "É o jeito usar esse capim para não deixar os bichos morrerem de fome", justificou o agricultor Raimundo Rodrigues. O criador colocou duas pessoas, sinalizando os motoristas com anelas para evitar acidentes. De acordo com relato dos vaqueiros e dos próprios criadores, nos últimos sete anos houve morte e venda de animais mediante as dificuldades para alimentar o rebanho. "Muitos venderam a maior parte do gado porque não tinham como sustentar", disse o agricultor Sebastião Alves. Os produtores rurais mostram-se preocupados com os anúncios de que 2019 será mais um ano com chuvas abaixo da média histórica, de fevereiro a maio. "A gente fica temeroso, mas não perde a esperança", conta o agricultor, Francisco Lavor, da região de Alencar, zona rural de Iguatu. Tecnologias Somente uma parte dos criadores investe em tecnologias alternativas de alimentação do rebanho, priorizando a formação de silos (armazenamento de  capim ou de sorgo forrageiro) para ser usado no período de escassez. ´Já houve avanços e até os anos de seca serviram de ensinamento", observou o gerente da Ematerce em Iguatu, Joaquim Virgolino. Fonte: Diário do Nordeste
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

Gonverno do Estado

Clique acima e confira ou se preferir clique AQUI

Tv Patativa do Assaré

Mob Telecom

Mob Telecom O dom de conectar: 0800-020-9000

Curta Nossa Página no Facebook

Distribuidora Roque

Nova Assaré Loteamento

Farmácia Menor Preço

Ledi Festas

Vivo em qualquer lugar use vivo

Inove Eventos

Produtos Nativus

Afagu

Ópcas Afagu

Burger KING

Samuel Rulin

Odonto Clinica

Karirí da Sorte Cap

Loja Barateira

Rejuntamix 100% de Qualidade

Seguro Previdência Créditos

Caixa Aqui Data Contábel

LPC NET

Total de visualizações do Site