quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

Partido de Bolsonaro quer disputar presidência do Senado e pode atrapalhar Tasso Jereissati

O presidente do PSL, o deputado eleito Luciano Bivar, lançou o senador eleito Major Olímpio (SP) como candidato à presidência do Senado. Caso a candidatura se confirme, será um revés para o senador cearense Tasso Jereissati (PSDB). O tucano se articula para disputar a função e inclusive ensaia aproximação com o presidente da República
Tasso teve reuniões com representantes da equipe de Bolsonaro, incluindo o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), e o próprio Major Olímpio (PSL-SP). Além disso, houve "conversa informal" do cearense com o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) no plenário do Senado.
O tucano teria se encontrado também com representantes da política econômica do governo, como o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida. Tasso declarou em entrevista à revista Crusoé, em dezembro, que "a visão econômica que está sendo pintada é muito parecida" com a do PSDB. 
Até aqui, Bolsonaro sustenta discurso de não intervir na disputa. Porém, o governo pretende evitar a vitória de Renan Calheiros (MDB-AL). O senador emedebista é considerado hostil ao novo governo, pela relação com o PT e posições vistas como contrárias à agenda econômica de Paulo Guedes. 
Olímpio, por sua vez, diz que ainda está avaliando se concorrerá. "Fui intimado pelo Bivar durante a posse. Ele realmente me veio com essa proposta e eu pedi para refletir. É o que mais eu tenho feito nas últimas 24 horas, estamos ponderando a situação".
Segundo o presidente do PSL, Olímpio reúne todas as condições de presidir a Casa. "A princípio, ele relutou sobre o assunto, mas o fato é que existe um monte de senador que não tem candidato", comentou Bivar. "Olímpio é formado em sociologia, Direito e obteve nove milhões de votos na maior unidade federativa do Brasil. Então, tem todas as condições de presidir o Senado, com muita dignidade.
Para Olímpio, que é atualmente deputado federal e assume como senador em 1º de fevereiro, há uma série de questões a serem ponderadas, como se a votação será aberta ou fechada e se haverá a possibilidade de segundo turno. "Eu, como brasileiro, gostaria muito que a transparência fosse absoluta e que a eleição fosse aberta. A sociedade tem o direito de saber como votam seus senadores", disse.
 Câmara
Olímpio também comentou o apoio do PSL à candidatura de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para o comando da Câmara dos Deputados. "Temos de garantir espaço e governabilidade para o governo Bolsonaro. Correr o risco do partido ficar isolado, fora das mesas, não participando das comissões, sem a força de constituição de blocos sólidos, é ou seria bastante temerário", afirmou Major Olímpio.
Para ele, a candidatura de Maia vai dar um suporte maior ao governo Bolsonaro. Segundo o senador eleito, Maia manifestou que defende a ampla maioria das pautas que devem ser encaminhadas por Bolsonaro. "Vejo isso de forma pragmática para ter força nas votações de Bolsonaro", disse.
 Disputa 
Seis nomes são cotados para a disputa: Renan Calheiros (MDB-AL), Simone Tebet (MDB-MS), Tasso Jereissati (PSDB), Davi Acolumbre (DEM-AP), Alvaro Dias (Podemos-PR) e Esperidião Amin (PP-SC). Caso seja confirmado o nome de Major Olímpio (PSL-SP) aumenta para sete pré-candidatos. 
Fonte- O povo
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

Rádio Patativa FM 105,9

Curta Nossa Página no Facebook

VMC CAR

Max Gel

Afagu

Ópcas Afagu

Burger KING

Samuel Rulin

Metal Serra Construtora

Odonto Clinica

Karirí da Sorte Cap

Casa dos Aposentados

Madral Madeira e Material de Construções

Laboratório Oswaldo Cruz

Dr. Wagner Maia Crm-Ce

Loja Barateira

Rejuntamix 100% de Qualidade

Seguro Previdência Créditos

Caixa Aqui Data Contábel

LPC NET

Total de visualizações do Site

Arquivos do Site