terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Serviços de mobilidade e limpeza urbana são afetados pelos ataques

Com a incerteza pairando sobre as ruas, Fortaleza e municípios do Interior do Estado chegaram ao 6º dia de ataques criminosos. Apesar do receio, a população da Capital retomou a rotina na segunda-feira (7) com percalços na limpeza urbana, e, por vezes, no transporte público. 


Na Avenida Bezerra de Menezes, as linhas que circulam dentro do corredor exclusivo de ônibus, o BRT, tiveram os veículos substituídos por carros mais antigos, sem portas do lado esquerdo, que param nos pontos normais. A situação foi observada em, pelo menos, cinco linhas: 26, 28, 71, 200 e 222. 

O fluxo de passageiros e ônibus foi normal durante a manhã no terminal da Parangaba. Agentes da Força Nacional estiveram presentes no local por volta de 8h30, em duas viaturas. Policiais também embarcaram em veículos prestes a deixar o terminal. Conduções do metrô e do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) funcionaram normalmente. 

Apesar da tranquilidade aparente, a movimentação no terminal do Conjunto Ceará foi marcada por reclamações de atraso dos ônibus. Para chegar ao seu local de trabalho, na Praia do Futuro, Vanderlei Miranda, 49, aguardava a linha 045 lamentando a demora. “As corridas no Uber estavam cobrando o triplo, não tinha a menor condição. Fiquei no prejuízo sem trabalhar, porque as contas só acumulam, né? Estou voltando hoje”, diz. No bairro Curió, pessoas queixavam-se dos motoristas de ônibus que, ao invés de seguirem até o fim da linha, paravam em um posto de gasolina na Avenida Odilon Guimarães e solicitavam a descida dos passageiros. 

“Isso nunca tinha acontecido, foi a primeira vez, e logo com esses ataques. A gente tem que andar cinco quarteirões até o fim, é muito perigoso”, relata Elisete da Costa, 51. 

Dejetos

Além da mobilidade urbana, a coleta de lixo também foi afetada pela onda de ataques. Na Avenida Leste-Oeste, moradores viram caminhões de coleta circular pela via pela primeira vez desde a última sexta-feira (4), o que resultou no acúmulo de dejetos no canteiro que divide as duas pistas da avenida. “As pessoas passam por aqui e é impossível não notar, é desagradável mesmo”, afirma o marceneiro José Marcos, 43, que presenciou a formação de um ponto de lixo em frente a seu estabelecimento.

“O tanto de sacos de lixo que tinha aqui chegou a atrair ratos, que entraram na casa das pessoas. Passou a ter mais muriçoca dentro de casa, também”, revela o vendedor Marcos Coelho, 46. O funcionamento da coleta, conforme garante o coordenador especial de Limpeza Urbana da Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), Albert Gradvohl, se dá de maneira normal, mas em áreas estratégicas. Ele afirma que, apesar dos registros de ataques, a atividade não foi suspensa em nenhum momento.

“Estamos trabalhando em comboio. Existem algumas áreas mais prejudicadas. Queimaram três caminhões, então houve a necessidade de bloquear o cronograma. No dia seguinte, compensamos com o aumento da frota”.

Fonte: DN
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

Rádio Patativa FM 105,9

Curta Nossa Página no Facebook

VMC CAR

Max Gel

Afagu

Ópcas Afagu

Burger KING

Samuel Rulin

Metal Serra Construtora

Odonto Clinica

Karirí da Sorte Cap

Casa dos Aposentados

Madral Madeira e Material de Construções

Laboratório Oswaldo Cruz

Dr. Wagner Maia Crm-Ce

Loja Barateira

Rejuntamix 100% de Qualidade

Seguro Previdência Créditos

Caixa Aqui Data Contábel

LPC NET

Total de visualizações do Site

Arquivos do Site