Clique na Imagem e Ouça a Patativa FM 105,9 Ao Vivo

Pages

segunda-feira, 15 de julho de 2019

Mais de 40 vídeos mostram prefeito cometendo abusos sexuais.


Desde quando eu era novinha, quando eu ia me consultar com ele, com minha mãe, eu tinha 14 anos, eu entrava no consultório, ele sempre trancava a porta e mandava a gente tirar a roupa, pegava no seio, ficava pegando no corpo da gente”.

Essa é a descrição de uma consulta de rotina realizada pelo médico ginecologista e clínico geral José Hilson de Paiva, 70 anos, atual prefeito de Uruburetama, a 110 quilômetros de Fortaleza. A vítima, que vai ter a identidade preservada, é apenas uma na lista que pode chegar a dezenas de mulheres. E o ato abusivo é apenas um na sequência de tratamentos criminosos aos quais o homem submeteu pacientes ao longo de, pelo menos, 30 anos. O médico continua atendendo no consultório particular de Uruburetama. No site do Conselho Federal de Medicina (CFM), o registro profissional aparece com “situação regular”.


Os crimes foram gravados pelo próprio médico. O Sistema Verdes Mares teve acesso a 63 vídeos, feitos entre 2009 e 2012 com, pelo menos, 23 mulheres, além de dezenas de fotos de partes íntimas de pacientes tiradas pelo ginecologista durante exames em Uruburetama e Cruz. Dessas, pelo menos 17 foram claramente abusadas. A reportagem ouviu seis vítimas nas duas cidades e teve acesso a relatos de Boletins de Ocorrência.

Em 46 gravações, José Hilson realiza atendimentos invasivos e com clara conotação sexual. Um dos vídeos mostra, inclusive, imagens em VHS, o que deixa claro o quanto a prática era antiga. Em muitos casos, os abusos aconteciam sem que a paciente sequer percebesse a violência.

Em Uruburetama, o prefeito filmou mulheres no consultório particular dele, anexo à casa onde mora. Também gravou pacientes em atendimentos nos quartos da própria residência. Já em Cruz, onde trabalhou como clínico e cirurgião geral, entre 2007 e 2013, filmou os abusos no Centro de Saúde do município. Como procedimento padrão, José Hilson costuma pedir às pacientes para ficarem nuas.

“Quando entrei, mandou tirar a roupa, fiquei nua”, relata outra vítima. “Eu falava que tinha vergonha e ele dizia ‘que besteira, eu sou médico”, conta outra mulher abusada. Nos vídeos, ele falava frases como “tire tudo por causa da sudorese, deixe de frescura”.

O médico sempre posicionava a câmera de forma a deixar o contato nítido. Às vezes, tirava foto das mamas, glúteos e vagina das mulheres. Às pacientes, explicava que era para identificar “hormônio” e prevenir câncer. E dizia que, colocando as fotos no computador, teria como descobrir doenças.

Ele também chegava a botar a boca e sugar o seio das pacientes, afirmando estar procurando por “secreções”. E ia além. “O primeiro procedimento que eu achei estranho foi ele usar um canudo e chupar nos meus peitos”, relata uma das vítimas.

Nos vídeos, José Hilson explica, ainda, que as pacientes têm “muita irritação” ou “muita inflamação” ou que o “útero ‘tá’ todo virado”. Como tratamento, passa de 10 a 15 sessões de aplicação de gel na vagina ou no ânus. “Doutor, e meu esposo? Você orienta ele?”, uma das vítimas pediu. “Não, bebê, tem que ser você”, respondeu ele.
TENTATIVA DE ESTUPRO
Uma das pacientes entrevistadas em Cruz conta que surpreendeu o médico durante tentativa de estupro. Ela foi procurá-lo porque estava com sangramento e ele receitou o suposto creme. “Eu não duvidei porque, pra mim, ele era profissional”.

Na segunda sessão, ela lembra que percebeu o médico nervoso.

Eu vi ele tremendo muito. E eu já cansada de ‘tá’ ali naquela maca, muito pequena. ‘Tava’ uns dez minutos ele tentando e não dava certo. Foi quando olhei pra ele. Olhei no jaleco dele, ele com as genitais (sic) de fora tentando entrar em mim de qualquer jeito

revela a paciente. Ela se abala ao falar do momento de horror. “Eu surtei, saí de lá correndo”.

SILÊNCIO E REPRESÁLIAS
A maioria das mulheres optou por não denunciar o médico. “Cidade pequena, o médico é exaltado. As mulheres não têm coragem porque são pessoas humildes, que não têm vez, nem voz”, explica uma das vítimas. A maior parte delas, donas de casa, agricultoras e operárias. “Eu queria gritar, dizer pra todo mundo. Mas era a minha voz no meio de muitas. Como seriam as provas que eu teria? Minha palavra contra um médico bem reconhecido?”
A família de José Hilson de Paiva sempre teve influência política. A esposa dele, Maria das Graças Cordeiro de Paiva, foi prefeita de Uruburetama por dois mandatos consecutivos, eleita em 1996 e 2000. Chegou a ser condenada em segunda instância por improbidade administrativa, mas nunca foi presa.

Além de ginecologista conceituado, apelidado de “Mão Santa”, Hilson de Paiva foi prefeito de Uruburetama em 1989, vice-prefeito em 2012 e eleito para o atual mandato com 76% dos votos. As tentativas de denúncias contra o médico não são novas. Em 1994, o Diário do Nordeste publicou notícia sobre donas de casa de Uruburetama que afirmaram ter sofrido assédio sexual. O caso gerou inquérito policial e foi parar na Justiça. Mas o processo foi arquivado por falta de provas.

DE VÍTIMA A RÉU
No ano passado, vieram à tona vídeos do médico mantendo relações sexuais com uma paciente em uma unidade de saúde de Uruburetama. Mas, como pareciam consentidas, a polêmica não resultou em sanção. A própria primeira-dama, procurada à época, defendeu o marido. “Eu quero saber qual é o homem que não trai sua esposa”, disse.

Após o escândalo, no ano passado, outras cinco mulheres fizeram novos Boletins de Ocorrência de estupro contra José Hilson. Elas foram à Delegacia de Itapipoca, município vizinho, por medo de represálias. Três casos não geraram processo porque eram muito antigos e prescreveram, dois traziam abusos que aconteceram em 1986 e um em 1994.

Em um dos casos não foi feita representação e apenas um dos boletins – relacionado a um abuso de 2015 – gerou inquérito e chegou à Justiça. O processo foi devolvido em março deste ano com a solicitação de novas diligências. Também foi transferido para a delegacia de Uruburetama, que ainda não concluiu as investigações.

Enquanto isso, o prefeito entrou na Justiça contra quatro vítimas. “Fui no fórum e fiz a denúncia. Fui na televisão”, diz uma das mulheres processadas. “O prefeito colocou contra as vítimas um processo de calúnia e difamação. Aí, pra poder ser arquivado, as vítimas tinham que pedir desculpa pra ele. Quando chegou na minha hora eu disse: ‘eu não vou pedir desculpa. Você é quem deve me pedir desculpa’. Aí o juiz falou: ‘você tem dinheiro pra pagar advogado?’. E eu disse: ‘tenho não’. ‘Pois agora você é ré”, relata.

O juiz José Cleber Moura do Nascimento, responsável pelo processo, foi procurado e não quis conceder entrevista.
EM ATUAÇÃO 
O último caso de abuso que a reportagem apurou é de dezembro do ano passado. A vítima relata que procurou o médico por causa de dores na coluna. Durante o exame, José Hilson ofereceu também uma consulta ginecológica.

“Mas, doutor, eu vim falar da minha coluna”, explicou a vítima. Por insistência, ela concordou com a consulta. Ele a virou de costas para fazer exame de toque e repetiu o procedimento abusivo de costume. Ao sair do consultório, ela contou apenas para o marido o que tinha vivido. “Não tenho como conversar com minha família sobre isso. Tenho medo do pessoal não acreditar”.

MONSTRO
Em entrevista ao Fantástico, que denunciou o caso neste domingo (14), o secretário-geral da Associação Médica Brasileira, Antônio Jorge Salomão, que assistiu aos vídeos gravados por José Hilson de Paiva, afirmou que em “nenhum momento da humanidade existe esse procedimento, isso é asqueroso”, referindo-se às práticas realizadas pelo prefeito de Uruburetama. O secretário chama as cenas de indescritíveis. “Não se trata de um médico, trata-se de um monstro”.

O vice-presidente da Associação Médica Brasileira, Diogo Leite Sampaio, também reforça a opinião. “Ele está se aproveitando da paciente. Ele não está examinando, procurando nenhum problema. Isso é crime”, afirma.

Muitas imagens demonstram claramente um estupro da paciente, que precisa ser punido severamente. São imagens repugnantes. São imagens de um criminoso que não faz medicina
garante Diogo Leite.

DEFESA
Na última quinta-feira (11), o prefeito José Hilson de Paiva foi procurado por equipes do Sistema Verdes Mares para se pronunciar sobre os novos vídeos. Ao sair da Prefeitura, o médico foi abordado e afirmou que tudo não passa de “jogada da oposição querendo me derrubar”.

Ele confirmou que mantinha relações sexuais com pacientes, mas “no consultório, não” e afirmou: “nunca fiz nada forçado”. Além disso, explicou que só aconteceram com “umas três pessoas”. Questionado sobre o grande número de vídeos e relatos de abusos gravados, disse que só falaria após conversar com o advogado. “Eu vou me defender na frente de vocês, vou dizer o que foi que houve, o que ‘tá’ acontecendo”.

Procurado, o advogado do médico, Kaio Castro, enviou nota explicando que a defesa só vai se manifestar sobre o caso quando tiver “acesso às mídias”.

SEGREDO DE JUSTIÇA 
O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) confirma que está investigando o caso e teve acesso aos novos vídeos dos abusos sexuais, mas não vai se pronunciar porque o processo segue em segredo de Justiça.

O Conselho Regional de Medicina do Ceará (Cremec) também foi procurado pela reportagem e, em nota, afirmou que não vai “comentar processos envolvendo profissionais porque tramitam em sigilo, por força da ética”. (Com a colaboração do repórter Alessandro Torres)
Fonte D N


Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

Gonverno do Estado

Clique acima e confira ou se preferir clique AQUI

Tv Patativa do Assaré

Mob Telecom

Mob Telecom O dom de conectar: 0800-020-9000

Curta Nossa Página no Facebook

Distribuidora Roque

Nova Assaré Loteamento

Farmácia Menor Preço

Ledi Festas

Vivo em qualquer lugar use vivo

Inove Eventos

Produtos Nativus

Afagu

Ópcas Afagu

Burger KING

Samuel Rulin

Odonto Clinica

Karirí da Sorte Cap

Loja Barateira

Rejuntamix 100% de Qualidade

Seguro Previdência Créditos

Caixa Aqui Data Contábel

LPC NET

Total de visualizações do Site